ESTOJO NA MOCHILA

ESTOJO é um projecto de mediação artística promovido pelo LAMA Teatro, que tem como objectivo primordial o envolvimento e a capacitação dos jovens, utilizando como meio as artes performativas. Com o desenvolvimento desta iniciativa, pretende-se que os participantes tenham acesso e a possibilidade de adquirir ferramentas que possam contribuir para o desempenho de um papel activo e produtivo no seio da sua comunidade e da sociedade em geral. 

A iniciativa ESTOJO, assenta na criação de um grupo de teatro constituído por jovens, com idades compreendidas entre os 13 e os 18 anos, onde será fornecida formação artística, alicerçada nas diferentes disciplinas do teatro: a oralidade, o movimento, a criatividade, a improvisação, a imaginação, a escuta, entre outras. Desta forma, pretende-se a criação de uma plataforma de pensamento crítico sobre a contemporaneidade e dos temas que nos afectam. 

Os trabalhos a desenvolver serão coordenados pelo LAMA Teatro. 

 O resultado final do Estojo, destina-se a ser apresentado no MOCHILA – Festival Internacional de Teatro para Crianças e Jovens 2024. 

Data limite para recepção de candidaturas: 17 de março de 2024 

Público alvo: dos 13 aos 18 anos 

Inscrição: Enviar para blackbox@lamateatro.com o nome completo; data de nascimento, contacto telefónico e email do responsável 

Calendarização dos trabalhos: de 18 de março de 2024 a 17 de maio de 2024 

Apresentações públicas: 18 e 19 de maio, às 11h. 

Local dos ensaios: LAMA Black Box – Faro 

Dias: terças e sextas 

Horários: 19h00 – 20h45 

Participação gratuita 

Coordenação: João de Brito (LAMA Teatro) 

Subcoordenação: Telma Saião 

Organização: LAMA Teatro 

Apoio institucional: Câmara Municipal de Faro 

Estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura | DGARTES – Direção-Geral das Artes 

“Estojo” pretende incrementar a participação dos jovens, através das artes performativas, numa acção comunitária que lhes dá voz.

Numa era em que o acesso à informação não é um privilégio, mas um dado adquirido, em que no mesmo segundo em que uma bomba do outro lado mundo explode qualquer jovem tem essa informação literalmente no seu bolso, verificamos uma diminuição de interação pessoal e um aumento de problemas mentais em idade escolar. O que fazer com o mundo que temos no bolso das calças, como podem os jovens filtrar, questionar e apropriar-se dele?

“​Se tivesses a possibilidade de falar dois minutos numa transmissão em directo, em que todo o mundo te estivesse a ouvir, o que dirias?​” é a premissa da qual partimos para trabalhar, num período inicial de três meses, com grupos heterogéneos de jovens da cidade de Faro.

Trabalharemos esta premissa em conjunto com o binómio conceptual TURVO/NÍTIDO. Problematizaremos o contágio, as influências, a liberdade e a nitidez: de movimentos, de palavras, de discernimento, de paixão, pensamento. Mas NÍTIDO não existe sem TURVO. O Nítido mostra uma coisa na sua perfeição, mas pode quebrar o poder da imaginação. Queremos incitar o pensamento sobre o mundo turvo que não nos deixa sentar confortavelmente, fazemos questão de querer ver, querer ver mais perto, tocar até.

Esta academia procura dar continuidade a grupos de teatro com jovens já existentes em desde 2020, promovendo assim a formação destes grupos, com base nas disciplinas do teatro: oralidade, movimento, criatividade, improvisação, imaginação, assente nos métodos de trabalho de uma companhia profissional de teatro.

Em paralelo ao desenvolvimento das competências teatrais consideraremos o desenvolvimento de outras competências, quais danos colaterais desejados: desenvolvimento da auto-estima e auto-confiança, reflexão abrangente sobre a contemporaneidade, capacidade de argumentação, noção de espaço, noção de grupo, noções temporais, escuta. Capacidade de resolução de problemas concretos através da criação teatral. Consciência do eu e do outro.

Atendendo ao público Alvo, dos 13 aos 18 anos, procuramos com esta academia desenvolver o espírito crítico dos jovens envolvidos no projecto e do público. Levaremos os jovens a reflectir sobre o mundo que os rodeia e a actualidade de uma realidade em constante mutação.

A inclusão de agentes locais com atividade própria insere-se numa lógica de continuidade orgânica após as apresentações no Festival, ainda esta possa vir a ser acompanhada pela equipa do projeto. “Estojo” é um projeto virado para a autonomia em que os jovens se tornarão também os líderes dos seus grupos de teatro. Procuramos impactar o público em duas camadas: os jovens que participam ativamente no “Estojo” e cujas capacidades de argumentação, pensamento crítico e criatividade através das artes prevemos ver desenvolvidas e o público que assistirá às performances – objeto artístico feito por jovens para jovens, resultado de uma reflexão sobre o mundo, o eu e o outro, agindo como recetor – amostra da premissa inicial.